Laboratório Ecotron

Projetado pelo escritório belga noAarchitecten, o centro de pesquisa estuda os efeitos produzidos pela mudança climática no meio ambiente.

Fotografia Cortesia da Universidade de Hasselt

Ecotron é um centro de pesquisa de alta tecnologia onde a Universidade de Hasselt, junto a outros sócios internacionais, estuda os efeitos produzidos pela mudança climática. O centro de pesquisa está conformado por doze câmaras climáticas de alta tecnologia capazes de reproduzir, dentro do laboratório, as possíveis condições climáticas futuras.

O projeto busca potenciar tanto os aspectos programáticos como os paisagísticos para que cada visitante do parque possa experimentar o edifício como um valor agregado à paisagem. Ao estar revestido de chapas de aço inoxidável polido, o volume não se revela ao visitante a primeira vista, mas sim, à medida que se aproximam.

Fotografia Cortesia da Universidade de Hasselt

O laboratório de pesquisa, projetado por noAarchitecten, está situado no Parque Nacional Hoge Kempen e consiste em um volume alargado, de 100 metros de longitude por 10 de largura e 4 de altura, que respondem aos requisitos necessários para abrigar as câmaras climáticas.

O projeto busca potenciar tanto os aspectos programáticos como os paisagísticos para que cada visitante do parque possa experimentar o edifício como um valor agregado à paisagem. Ao estar revestido de chapas de aço inoxidável polido, o volume não se revela ao visitante a primeira vista, mas sim, à medida que se aproximam, gerando uma ambiguidade entre a ausência e a presença. A estrutura horizontal e a ausência de uniões visíveis dão ao conjunto uma imagem de perfeição e imaterialidade.

Implantação
Térreo e planta de cobertura
Fotografia Cortesia da Universidade de Hasselt

O Laboratório Ecotron foi publicado na PLOT 43, juntamente com outras três obras recentemente realizadas pelo escritório belga: Sala de leitura e arquivos do Museu Plantin-Moretus, Museu do Linho e o Campus da Universidade de Hasselt.

noAarchitecten foi fundado em 1999 por An Fonteyne, Jitse van den Berg e Philippe Viérin e conta hoje com uma equipe internacional de quinze arquitetos. O escritório flamenco tem sedes em dois lugares estratégicos: o principal de Bruxelas – dentro de um edifício industrial da década de 1930 restaurado pelos próprios arquitetos – e um segundo escritório no centro histórico da cidade de Bruges. Desde sua fundação, noAarchitecten trabalhou em projetos de diferentes escalas, sobretudo em edifícios públicos com programas complexos em centros históricos.