Tienda

PLOT 45

Disponibilidade: Stock

R$ 90,00

Pavilhão Serpentine Galleries. Frida Escobedo, com texto de Felipe Walter / A forma do ar. Dosis, Plastique Fantastique, Penique Productions / IMS São Paulo. Andrade Morettin Arquitetos / Sesc 24 de Maio. Paulo Mendes da Rocha + MMBB Arquitetos / fala atelier, com entrevista a Filipe Magalhães, Ana Luisa Soares e Ahmed Belkhodja. Casa na Rua do Paraíso, Casa com uma parede curva, Casa São Brás, Casa pequena com um chuveiro monumental / Três estúdios de Córdoba. Berzero Jaros, BLT Arq, Alarcia Ferrer, com introdução de Ricardo Sargiotti / Out of Time 40. Josep Lluís Mateo conversa com Ciro Najle / PlanificACCIÓN para o Desenvolvimento Integral de Cidades. Gabriel Lanfranchi / Os limites da cidade habitável: do Homo sapiens ao Homo cappuccino. Maroš Krivý e Leonrad Ma / Povoado Potemkin. Gregor Sailer.

REF: BRPLOT045 Categorias ,

REVISTA

Pavilhão Serpentine Galleries 2018. Frida Escobedo projetou o pavilhão Serpentine Galleries 2018 em Londres. A publicação está acompanhada de um texto produto do encontro entre a arquiteta mexicana com Felipe Walter: “Sobre a arquitetura do sul nos circuitos globais”.

A forma do ar. Second Home, de Dosis (Ignacio Peydro Duclos + Isabel Collado Baíllo).  Liveboat – Chapter 5, Sound of light e Loud Shadows de Plastique Fantastique. Palo Alto, A piscina do Parque Lage e Gruta de Penique Productions. Com introdução de Florencia Medina.

PRÁTICA

IMS São Paulo. Para realizar a nova sede do Instituto Moreira Salles em São Paulo, os arquitetos Andrade Morettin Arquitetos analisaram dois parâmetros fundamentais: o programa e o contexto urbano. O projeto consiste na elevação do térreo do museu a quinze metros sobre o nível da Avenida Paulista, criando uma relação totalmente nova e aberta entre o museu, a cidade e seus habitantes. O térreo no nível da Avenida Paulista forma um hall que se conecta com o térreo elevado, conformando uma plataforma de distribuição para os diversos fluxos que alimentam o edifício.

 Sesc 24 de Maio. O objetivo principal da nova unidade do Sesc, dos arquitetos Paulo Mendes da Rocha e MMBB arquitetos, além de aproveitar e adaptar instalações que originalmente respondiam a outros usos, foi contribuir de forma efetiva na necessária e desejada recuperação de uma zona importante do centro da cidade São Paulo. O térreo do edifício existente se transformou na “Praça do Sesc”, um espaço público interior, em consonância com os fluxos e a dinâmica da região, que se incorpora ao entrelaçado tecido urbano marcado pelas galerias comerciais e que na primeira metade do século XX concentrava boa parte da vida cultural e comercial da cidade.

fala atelier. O escritório português se caracteriza por um enfoque arquitetônico “hedonista, pós-moderno, intuitivo e retórico”. Definem-se como autores de uma prática naïve operada por um otimismo metódico; seus projetos conjugam formas, referências, citações e temas conduzidos por uma obsessão pela claridade. A seleção de obras publicadas nessa edição, Casa na Rua do Paraíso, Casa com uma parede curva, Casa São Brás e Casa pequena com um chuveiro monumental, estão acompanhadas de uma conversa entre os sócios fundadores do fala e as editoras da PLOT.

Três estúdios de Córdoba. A seção de Prática de PLOT 45 conclui com uma seleção de projetos de três jovens escritórios da cidade de Córdoba, Argentina: Refugio urbano e Ateliê de madeira, de Berzero Jaros; Casa AS e Casa TN, de BLT Arq; Estábulos e Casa FM, de Alarcia Ferrer. De acordo com Ricardo Sargiotti, estes jovens arquitetos “representam um grupo muito maior de graduados das três escolas da cidade e da primeira década do século XXI, período em que a informação em tempo real sobre a arquitetura global começava a conviver com uma geração de docentes cuja produção, já livre dos vícios da pós-modernidade, começou a ter valor referencial para seus estudantes”.

TEORIA

Out of Time 40. Josep Lluís Mateo conversa com Ciro Najle.

PlanificACCIÓN para o Desenvolvimento Integral de Cidades. A urbanização global exige abordar e desenvolver soluções para os desafios ambientais, sociais e econômicos contemporâneos. O enfoque do Desenvolvimento Integral de Cidades promove o planejamento e a gestão urbano-territorial como método de análise e ação para definir o rumo de desenvolvimento das cidades e atuar na sua evolução. Por Gabriel Lafranchi.

Os limites da cidade habitável: do Homo sapiensao Homo cappuccinoO urbanismo da cidade habitável, tal como é professado pelo arquiteto dinamarquês Jan Gehl, está baseado na premissa de que o homem é um sujeito essencialmente social, definido por sua capacidade de se deslocar a pé de um lugar a outro e pelo seu interesse em espaços exteriores onde possa vivenciar uma experiência urbana plena. Desta visão surge o Homo cappuccino, um sujeito menos livre do que aparenta, coibido pela crescente desigualdade social e pelos limites de um estado de bem-estar cada vez menos acessível. Por Maroš Krivý e Leonard Ma.

Povoado Potemkin. Fecha a edição uma seleção de obras do fotógrafo Gregor Sailer que forma parte de seu trabalho de investigação The Potemkin Village(Kehrer 2017). As imagens de Sailer nos permitem entrar no mundo das falsificações, das cópias e das fachadas artificiais, e põem em evidencia as aberrações – quase sempre absurdas – das nossas sociedades contemporâneas.

Voltar