Solo House II

OFFICE Kersten Geers David Van Severen

Fotografia Bas Princen

O empreendimento Solo Houses teve como um dos seus principais objetivos descobrir o quanto é possível se apartar da ideia de “casa” e ainda assim criar um lugar adequado para o habitat humano. O contexto no qual se insere é ideal, já que o lugar escolhido, Cretas, na região espanhola de Matarraña, apresenta condições naturais imponentes. A ideia de habitar o lugar já foi motivação suficiente para que os promotores impulsionassem o exercício de construir casas que permitissem experimentar a natureza sem restrições, diluindo os limites entre o objeto e o entorno.

Solo Houses é uma iniciativa de Christian Bourdais, que convocou grande número de jovens arquitetos internacionais para construir uma série de protótipos que conformam uma coleção de obras de arquitetura contemporânea. A primeira casa construída pertence ao estúdio chileno Pezo von Ellrichshausen. Em meados de 2017, OFFICE Kersten Geers David Van Severen concluiu a segunda obra. Há previsão para a construção de projetos de Sou Fujimoto, Johnston Marklee, Christ & Gantenbein, Anne Holtrop, Barozzi Veiga e Smiljan Radic, entre outros.

Fotografia Bas Princen

O projeto ideado pelo escritório belga se assenta sobre uma planície, onde sua planta em forma de anel enfatiza o perímetro e permite obter vistas panorâmicas em 360°, criando um grande pátio interno. A casa está conformada por quatro subunidades – ou pequenas casas – em seu interior: a sala, o dormitório principal, o dormitório de hóspedes e a piscina. A cobertura, sustentada por quatro conjuntos de pilares, funciona também como suporte dos trilhos nos quais estão pendurados os tecidos leves que definem os limites difusos da casa e que abreviam a relação proposta entre a casa e a natureza.

O projeto se assenta sobre uma planície, onde sua planta em forma de anel enfatiza o perímetro e permite obter vistas panorâmicas em 360°, e por sua vez gera um grande pátio interno.

Fotografia Cortesia Solo Houses
Corte-Vista

Em forma de objetos esculturais sobre a laje da cobertura, emergem as caixas d´água, os geradores e os painéis fotovoltaicos. Com uma superfície total de 1.600 metros quadrados, um grande pátio ajardinado e uma piscina natural talhada na rocha, a casa é ambígua em muitos sentidos: é discreta, porém imponente; cerimoniosa, porém dispersa; aberta, mas introvertida; transparente e opaca; luxuosa e, ao mesmo tempo, austera.

Solo House II foi definida como um exercício para produzir arquitetura com dispositivos autônomos. Alguns deles foram concebidos em colaboração com outros profissionais: as caixas d´água foram intervenções do artista belga Pieter Vermeersch, o artista Richard Venlet projetou os híbridos banco-lâmpada, e Muller Van Severen projetou a chaise longuede grelha metálica (WireS) inspirada na curvatura da casa.

Fotografía Bas Princen

Arquiteto OFFICE Kersten Geers David Van Severen

Arquiteto Associado  Diogo Porto

Colaboradores  Jan Lenaerts

Área 550 m(construída)

Localização  Cretas, Espanha

Anos  2014-2017

Projetos complementares  Laguens Arquitetos Associados (estruturas), Alfonso Arrufat (arquiteto técnico), Alex Montañes – Montañes Instalações (instalações), De Clercq (fachadas)

Construção  Construccions Ferras Prat

Artista  Pieter Vermeersch

Cliente  Christian Bourdais

 

Fotografia  Bas Princen (salvo aclaração)