Refúgio Fleinvær

O projeto de Rintala Eggertsson Architects distribui o programa em vários módulos sobre o frágil terreno do arquipélago.

Fotografia Pasi Aalto

O refúgio Fleinvær é uma residência para artistas situada no arquipélago de Fleinvær, no norte da Noruega. O projeto surgiu após o músico e compositor Havard Lund entrar em contato com Tyin Tegnestue Architects, que, por sua vez, contataram-se com o Rintala Eggerstsson Architects para colaborar com o projeto e a sua construção.

Implantação no arquipélago Fleinvær
Planta geral

Na primeira etapa do processo, todas as partes envolvidas concordaram que um fragmento da natureza tão vulnerável, delicado e arquitetônico como o arquipélago deveria ser protegido da presença de máquinas escavadoras e da demolição através do planejamento e da reorganização do programa.

Fotografia Pasi Aalto
Axonométrica do conjunto

Em decorrência disso, decidiu-se que cada uso contaria com um edifício próprio: a sauna em uma doca junto à orla, os chalés principais ao pé da colina, o espaço de trabalho em uma reentrância da encosta e, para completar a composição com uma referência vernacular dos indígenas Sami, construiu-se uma njalla, uma pequena cabana apoiada sobre uma coluna, com vistas para as demais construções e para o horizonte.

Essa organização não é nova para o lugar: a maioria dos povoados de pescadores adaptou a localização, o uso e a forma dos seus assentamentos de acordo com a capacidade de cada terreno de comportar instalações artificiais e em função da direção dos ventos. Estes fatores decisivos ajudaram os habitantes dessa região a sobreviver através de vários séculos, enfrentando as dificuldades climáticas e mantendo um contato próximo e harmônico com a natureza.

Fotografia Pasi Aalto
Fordypningsrommet Fleinvær

O refúgio se converteu em uma importante fonte de renda para a comunidade de trinta pessoas que vive nas ilhas, já que muitos de seus habitantes contribuem de maneira direta ou indireta com o funcionamento da residência.

O enfoque pragmático vinculado à organização do grupo de chalés foi abordado por quatro escritórios dedicados a desenhar e a construir as estruturas. O foco na intervenção mínima foi similar ao anterior e reforçou a necessidade dos materiais de construção serem transportados até a ilha e, uma vez ali, transferidos manualmente ao lugar.

Fotografia Kathrine Sørgård
Fotografia Pasi Aalto

A partir dessa restrição, escolheu-se a madeira como elemento construtivo principal, já que também se trata de um material sustentável, livre de emissão de dióxido de carbono e que pode ser trabalhado in loco, o que significa um baixo impacto ambiental e baixos custos de produção e manutenção.

Axonométrica dos equipamentos distribuídos na paisagem: mirante, deck e passarela

Não há dúvida de que os arquitetos dependem constantemente de uma mão de obra especializada. Nesse sentido, devido à escassez de mão-de-obra local, a obra precisou contar com dois trabalhadores altamente qualificados que se mudaram para o arquipélago e permaneceram lá até o final do processo de construção.

Andy Devine, um arquiteto e carpinteiro de Melbourne, Austrália, e Ruben Stranger, um carpinteiro local, não somente levaram em conta as ideias que propuseram os arquitetos e os estudantes, como também contribuíram com soluções próprias, baseadas em experiências pessoais acumuladas ao longo dos anos.

Fotografia Pasi Aalto

O refúgio de Rintala Eggertsson Architects foi publicado na PLOT 46 junto com projetos de seis escritórios de arquitetos noruegueses, com texto introdutório de Francisco Kocourek, na matéria Práticas em Oslo.

Clique aqui para assinar a PLOT com um 20% de desconto e envio grátis!

Open chat